História


A região onde se localiza a cidade de Araraquara foi habitada pela nação Guayanás – seus filhos eram notáveis pelo seu valor, altivez, orgulho, soberba e prezavam pela liberdade. No local havia abundancia de araras, papagaios e periquitos.

Pedro José Neto, nascido em Nossa Senhora da Piedade de Inhomerim/ Rio de Janeiro, no ano de 1790, embrenhou-se nas matas onde está a cidade de São Carlos e percorrendo-as chegou até os campos de Araraquara, explorando o local e apossando-se dos lugares nomeados Ouro, Rancho Queimado, Cruzes, Lageado, Cambuí, Monte Alegre e Bonfim. Com o passar do tempo surgiram outros exploradores, com os quais ele repartiu as suas terras com a condição de livrarem o seu nome da justiça de Itu – da qual estava fugido após uma discussão com o seu rival que o processou – seu local de moradia antes de chegar a Araraquara.

Em 22 de agosto de 1817, a Freguesia de São Bento de Araraquara foi desmembrada de Piracicaba e criada através de alvará do Rei D. João VI. Elevou-se à vila em 10 de julho de 1832 e depois à cidade em 06 de fevereiro de 1889.

Alguns fatos históricos importantes:

  • Guerra do Paraguai (1864): participaram desta guerra 30 voluntários araraquarenses.
  • Inauguração da Estrada de Ferro Araraquara (18 de janeiro de 1885): evento que foi prestigiado pela população araraquarense e pelas autoridades da época; com a chegada da estrada de ferro, a cidade prosperou ainda mais.
  • Visita Imperial (06 de novembro de 1886): Dom Pedro II esteve na cidade das 8h30 às 11h35, conforme registro feito pelo “Jornal do Commercio”.
  • Linchamento dos Britos (06 de fevereiro de 1897): A disputa entre o jornalista Rozendo de Brito e o Coronel Antonio Joaquim de Carvalho resultou na morte do coronel e no linchamento do jornalista e de seu tio Manuel de Souza Brito. Este episódio de coronelismo influenciou a política local no início do século XX. Na década de 1930, com a vitória no pleito municipal Bento de Abreu Sampaio Vidal e seu grupo, com a visão de construir outra representação da cidade, investiu nas construções de praças e do Museu Municipal e na arborização de ruas, desvinculando Araraquara do lamentável episódio do linchamento.
  • Visita do filósofo francês Jean-Paul Sartre (1960): veio para promover uma conferência na então Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras – UNESP; este evento possui uma publicação bilíngüe pela Editora UNESP com o título: Sartre no Brasil – A Conferência de Araraquara.

Mais informações: www.unesp.br/aci/jornal/159/memoria.htm

BRASÃO DO MUNICÍPIO
HINO DA CIDADE

Voltar