Você está aqui: Página Inicial / importação / noticias / 2018 / 05 / 24 / Cerest Regional debate banimento do amianto no País

Cerest Regional debate banimento do amianto no País

Conforme lei estadual, produto utilizado principalmente pela construção civil já está proibido no Estado de São Paulo
Representantes do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador “Francisco Neves” - Cerest Regional de Araraquara, participaram recentemente em São Paulo do 2º Seminário Internacional ‘Brasil Sem Amianto - Uma abordagem da Saúde do Trabalhador’.Realizado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), em parceria com o Departamento Intersindical de Estudos e Pesquisas de Saúde e dos Ambientes de Trabalho, e Associação Brasileira dos Expostos ao Amianto, o encontro fomentou a discussão sobre o banimento do amianto. Segundo a Organização Mundial da Saúde, este mineral é responsável por mais de 100 mil mortes por ano no mundo.O Estado de São Paulo foi pioneiro no banimento, desde 2007, através de Lei Estadual de 2007 do deputado Marcos Martins (PT). A lei proíbe o uso em todo o Estado de produtos, materiais ou artefatos que contenham quaisquer tipos de amianto ou asbesto ou outros minerais que, acidentalmente, tenham fibras de amianto na sua composição.A Fundacentro, instituição de pesquisa e estudos voltados à segurança, higiene e medicina do trabalho (órgão vinculado ao Ministério do Trabalho), afirma que o amianto é responsável por 30% dos cânceres ocupacionais no Brasil.O Cerest e as Vigilâncias Sanitárias têm que intensificar a vigilância efetiva da Lei Estadual, segundo o coordenador do Cerest Regional de Araraquara, Edison Rodrigues Filho.Malefícios“A participação no 2º Seminário Internacional nos enriqueceu com as experiências que vem ocorrendo em outros países e também com as informações atualizadas de como está a batalha jurídica nacional pela insconstitucionalidade da Lei Federal que permite ainda o seu uso no Brasil”, acrescenta Edison.O amianto é reconhecidamente cancerígeno e responsável por várias doenças respiratórias graves. O produto já foi totalmente proibido em 61 países em todas as suas formas químicas e estruturais.O amianto (também conhecido como asbesto) é uma fibra mineral usada principalmente pelo setor da construção civil em telhas e caixas d’água e tem mais de 3.400 aplicações no mundo, variando entre brinquedos, eletrodomésticos e peças automobilísticas.Também existe o amianto branco ou crisotila (uma variação da fibra), que está presente em até 90% dessas produções.O contato com o mineral fibroso pode causar câncer no pulmão, mesotelioma de pleura (tecido que reveste o pulmão) e peritônio (reveste a cavidade abdominal).Também provoca câncer de laringe e aparelho digestivo e asbestose (endurecimento lento do pulmão, causando falta de ar, cansaço, emagrecimento, dores nas pernas e costas), doenças pleurais, derrames, espessamentos e distúrbios ventilatórios.