Você está aqui: Página Inicial / importação / noticias / 2018 / 07 / 12 / Sábado (dia 14) é Dia do Metal Extremo no Araraquara Rock

Sábado (dia 14) é Dia do Metal Extremo no Araraquara Rock

Sábado no Araraquara Rock é o Dia do Metal Extremo, com shows no Teatro de Arena Prefeito Bendito de Oliveira. A abertura dos portões acontece às 17 horas e os shows são gratuitos, sem necessidade de retirada de convites.

 O evento promovido pela Secretaria Municipal da Cultura e Fundart, com o apoio do Sesc Araraquara, chega destruidor com death/thrash metal da banda araraquarense Toxic Death. Logo depois, uma sequência de renomados nomes do metal brasileiro que chega de vários cantos do país. A técnica infalível do Woslom (thrash metal), os lendários do Genocídio (death metal), os ícones dos anos 80 Attomica (thrash metal) e representando a cultura nordestina na música pesada, Cangaço (death metal). O pesadíssimo thrash/death metal do Claustrofobia fecha a noite.

Vale lembrar que no domingo, 15 de julho, o fechamento da edição acontece na Praça Scalamandré Sobrinho (em frente à Arena da Fonte), com os shows das bandas: Remove Silence, The Crashing Brains, Crookhead, Tessalonica, Soulspell, Tandra e Angra.

Toxic Death (Araraquara)A Toxic Death, banda de Thrash/Death Metal de Araraquara, está na ativa desde 2014, quando deu início ao trabalho de composições de músicas autorais, agressivas, pesadas e com um vocal gutural marcante. Toxic DeathAs composições são influenciadas por várias bandas do cenário Thrash e Death Metal, desde o Thrash Metal Bay Area ao Death Metal Oldschool, como Obituary, Cannibal Corpse, Death, Six Feet Under, Sodom, Possessed, Exodus, Sarcófago, Sepultura e Morbid Angel.A banda já abriu shows de bandas renomadas no cenário do metal nacional e internacional, como Torture squad, Amazarak e Nervochaos.Toxic Death conta com: João Morandini (guitarra), Gustavo Lourenço (guitarra), Fernando Moura (baixo/vocal) e Marcello Kenji (bateria).WoslomO Woslom é formado por Silvano Aguilera (vocal e guitarra), Rafael Iak (guitarra), André Mellado (baixo) e Fernando Oster (bateria). Oriunda da capital paulista, a banda em novembro de 2010 lançou seu primeiro álbum, “Time to Rise” e obteve críticas positivas da mídia especializada no Brasil e no exterior. WoslomEm 2017 a banda em parceria com a Restless Booking Agency, faz uma tour por terras brasileiras nos moldes europeus, realizando 16 concertos em 16 dias, por quatro Estados do Brasil.Neste ano a banda prepara um novo material, um EP conceitual, produzido de uma forma diferente e também realiza uma tour no Estado de São Paulo neste mês comemorativo ao Dia do Rock.GenocídioA banda conta com mais de 30 anos de estrada. São nove álbuns de estúdio, um DVD/CD ao vivo, e diversos shows na maior parte das regiões do Brasil ao lado de influências como Venom, Napalm Death e Destruction, a primeira banda de metal extremo da cidade de São Paulo. GenocídioO Genocídio foi formado nos anos 80 por Wanderley Perna (guitarra) e Marcão (baixo e vocal) com uma sonoridade criada pela dupla – acrescida à época por Zé Galinha (bateria) – que já poderia figurar na trilha sonora do Armagedom. Sua música e integridade continuam intactas após tanto tempo e diversas mudanças na formação.O mais novo trabalho da banda “In Love With Hatred” é marcado pela volta ao seu período mais Death Metal, apresentando letras que retratam temas obscuros e com o instrumental salientando as idéias dos músicos. O desafio do quarteto na produção do novo disco foi o de manter sua tradição em gravar versões de músicas que influenciaram sua carreira. A regravação do clássico “Come To The Sabbath”, do Mercyful Fate, é mais um dos destaques existentes na versão CD pela Urubuz Records.

Attomica

A banda Attomica foi formada em outubro de 1985, da fusão das bandas Metafel (Laerte Perr-vocal, Andre Rod-baixo, Pyda Rod-guitarra, Mario Sanefuji -bateria) e Ether ( João Paulo Francis -guitarra) ambas de São José dos Campos -SP.

Attomica

Depois de diversas formações, em meados de 2014, devido a desentendimentos de ideias houve uma ruptura no Attomica levando a mais um hiato e divisão na formação da banda, foi quando André Rod baixista e membro fundador assumiu uma parceria com a produtora Movimento Bonanza para resolver as questões legais da banda, reestruturar ruídos que ficaram em 30 anos de história e desenvolver um projeto de carreira que fosse promissor em relação aos anseios desejados.

Em 2015 com todos os planos, composições e o trabalho fluindo, uma grande fatalidade aconteceu, o vocalista e frontman da banda Alex Rangel faleceu devido a um acidente de motocicleta, com apenas 35 anos e no auge de sua carreira. Foi um momento realmente muito difícil para todos envolvidos na equipe.

A banda se manteve ativa, ensaiando e André Rod assumiu os vocais, lançando no final de 2015 o single “The Last Samurai”. No início de 2016, o Attomica iniciou uma parceria com Phill Lima, da”Over metal Agency” e “Over Metal TV” para agenciar a banda. No fim de 2016, a banda decidiu formar-se como um trio e, neste ano, em abril, lançou o seu quinto álbum de estúdio “The Trick”, que vem recebendo excelente crítica da mídia especializada e ótima aceitação dos antigos e novos fãs, marcando uma fase de total superação e evolução da Claustrofobia.

 

Cangaço

A banda Cangaço foi formada em 2010, no Recife, com o propósito de fundir e experimentar estilos artísticos distintos realizando uma música com características da cultura de raiz de Pernambuco.

O contexto regional unido ao metal - estilo estrangeiro - mas de atmosfera muito próxima em ambiência, fundido ao que se vê na história sertaneja do Nordeste, foi o desejo dos músicos desde o início pela empatia e realidade de cada um. O grupo, focado em alavancar a cultura musical regional objetivou que esta pode ser parte de um contexto primariamente diverso.

Esta versatilidade e o ímpeto de construir uma base musical nova, de fazer o Nordeste melhor compreendido, com contexto edificante ao tratar da própria história poética e concreta da região, foi o impulso que tornou o nome “Cangaço” conhecido, mesmo com pouco tempo de formação da banda.

Após lançados dois EP’s – Parabelo (2010), Positivo (2011) - e o álbum Rastros (2013), várias apresentações relevantes, e, reconhecimentos da mídia local e especializada surgiram. Todo esse processo naturalmente gerou uma ideia ao trio de apresentar novas roupagens de temas musicais de compositores brasileiros consagrados. Canalizando uma interpretação mais voltada para o Metal ao propor que a união deste estilo com músicas fortes de ambiência regional seja possível, mostrando utilidade ao agregar valor artístico à nossa terra e à nossa história.

Com isso em mente, a banda Cangaço lançou o EP Retalhado (2015) onde selecionou alguns dos mais destacados artistas brasileiros, na riqueza de suas músicas e de como fazer com que a fusão se processasse e se condensasse em um material moderno e ao mesmo tempo atemporal que abarcasse a essência do que somos como povo e de como nossa integração com uma cultura distinta pode trazer proximidade com pessoas e elementos ligados à Arte ou apreciadores de Arte.

Em 2018 a Cangaço entra em estúdio para gravação de um novo EP. Dessa vez contará com a participação de Vinícius de Farias, um talentoso sanfoneiro extremamente versátil que consegue unir a tradição com a modernidade em seu jeito de tocar e nas suas ideias. O material estará pronto no início do segundo semestre e o público do Araraquara Rock poderá conferir um pouco do quem por aí.

Claustrofobia

Com mais de 20 anos de carreira, seis álbuns lançados e com o núcleo criativo intacto, a banda Claustrofobia retornou de uma turnê pelos Estados Unidos onde também gravou um EP inédito com seis faixas, intitulado “Swamp Loco”.

Claustrofobia

Produzido pela própria banda e mixado na Inglaterra por Russ Russell, os músicos conseguiram se reinventar abrindo novas possibilidades, experimentando texturas vocais e melódicas, alcançando um nível mundial sem perder a legitimidade brasileira.

As novas composições se misturam entre os clássicos já lançados nesses últimos 20 anos. Com repertorio variado, a banda promove um show de energia e entrosamento único, proporcionando ao público diferentes vertentes do Heavy Metal num híbrido alucinante.

Na ativa desde 1994, o Power Trio da Claustrofobia concretiza definitivamente seu status de um dos embaixadores do Heavy Metal brasileiro, transitando por diversas culturas, desbravando o Brasil e Europa em turnês pela Alemanha, Holanda, Bélgica, França, Itália, Polônia, Eslovênia, Espanha, Russia, entre outros.

Vale lembrar que, em 2016, a Claustrofobia lançou o álbum “Download Hatred”, produzido e mixado pelo britânico Russ Russell, famoso por já ter trabalhado ao lado de nomes como Napalm Death, Dimmu Borgir, The Exploited, Evile, Brujeria, entre outros. Um dos pontos altos do álbum é a composição em parceria com Andreas Kisser (Sepultura) denominada de "Curva", além de compor Andreas gravou veementemente todos os solos da faixa no melhor clima de CHAOS A.D que unidos a uma letra irônica e realista, transformou a canção em algo épico.

Para o Araraquara Rock, Claustrofobia esbanja seu Metal visceral sem fronteiras e brutalmente artístico.

SERVIÇO:

Araraquara Rock 2018

•        Sábado (14 de julho) – abertura dos portões: 17 horas

Local: Teatro de Arena Prefeito Benedito de Oliveira (Av. Adhemar Pereira de Barros, s/n° - Melhado)

Shows: Toxic Death, Woslom, Genocídio, Attomica e Claustrofobia

Grátis