Você está aqui: Página Inicial / importação / noticias / 2018 / 07 / 16 / Banco Municipal de Alimentos completa 11 anos

Banco Municipal de Alimentos completa 11 anos

Criado em 2017, equipamento atende hoje cerca de 2,5 mil pessoas em situação de vulnerabilidade econômica em Araraquara
O Banco Municipal de Alimentos está completando 11 anos em Araraquara. Inaugurado em 21 de julho de 2007 (no primeiro governo Edinho), o equipamento foi um dos primeiros a ser inaugurado no modelo estabelecido pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome em todo Brasil, inclusive na operacionalização do PAA – Programa de Aquisição de Alimentos.Atualmente, o Banco de Alimentos atende a mais de 45 entidades socioassistencias de Araraquara, atingindo cerca de 2.500 pessoas em situação de vulnerabilidade econômica nas mais diversas regiões da cidade.Também realiza o processamento de frutas e legumes, que facilitam e melhoram a utilização desses itens pelas entidades beneficiárias, como, por exemplo, polpa de tomate e demais frutas. No Banco de Municipal Alimentos, são armazenadas as cestas básicas distribuídas pela  Coordenadoria de Segurança Alimentar às pessoas, via entidades socioassistenciais.Neste ano, esse equipamento receberá por mês cerca de 25 toneladas de alimentos, entre frutas, legumes e verduras, provenientes da compra junto a 89 agricultores familiares e assentados da Reforma Agrária, totalizando um montante de R$ 575 mil.Segundo o coordenador de Segurança Alimentar (ligada à Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social), Marcelo Mazeta,  são alimentos vindos diretamente do produtor, “de excelente qualidade e variedade. A regularidade deste programa garante o direito humano a uma alimentação adequada e saudável aos beneficiários”, enfatiza.DistribuiçãoO PAA-Conab executado por associação de produtores teve início em junho e, pela primeira vez em Araraquara, os alimentos são fornecidos em forma de cestas de hortifruti aos Cras - Centros de Referência em Assistência Social, responsáveis por distribuir as cestas para famílias em vulnerabilidade econômica, identificadas pelo projeto “Territórios em Rede”.Ainda de acordo com Marcelo Mazeta, este programa é coordenado pela Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social e, com apoio intersetorial de diversas secretarias e, em consonância com políticas públicas municipais, visa fortalecer a rede de proteção social em seis territórios prioritários, caracterizados por seus índices de vulnerabilidade social.São fortalecidas as regiões dos bairros Jardim Cruzeiro do Sul, Jardim São Rafael, Cecap (incluindo o Residencial dos Oitis), Jardim das Hortênsias, Parque São Paulo e Residencial Valle Verde.“As frutas, legumes e verduras vão complementar as cestas básicas de alimentos não perecíveis entregues para as famílias, garantindo uma alimentação saudável às pessoas que mais precisam no município”, explica o coordenador de Segurança Alimentar.ParceriasO Banco Municipal de Alimentos também recebe produtos alimentícios da iniciativa privada – Carrefour (desde 2011), Atacadão (desde 2014) e Passarinho Hortifruti (desde 2015), numa média de 6 toneladas de alimentos/mês, variados entre perecíveis e não perecíveis. Esses alimentos são triados, separados e reembalados antes de serem destinados às entidades e programas sociais do município. “Trata-se de uma importante ação social das empresas que fornecem alimentos variados, muitos deles, inclusive, com elevado valor protéico, o que melhora muito a qualidade nutricional das refeições. Além disso, as doações garantem a maior parte da matéria-prima para os pães produzidos na Padaria Artesanal”, acrescenta Marcelo.Ao elogiar as parcerias, “que não medem esforços para ajudar a construir uma sociedade mais fraterna, digna e participativa”, Marcelo Mazeta reforça a importância de outras empresas de Araraquara aderir ao processo.“O potencial desta ação social é enorme e, apesar de todos os esforços em convidar ouras para fazer parte do projeto de redução de desperdício, ainda são poucas as empresas no município que fizeram a adesão”, diz.