Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Ferramentas Pessoais

Navegação
Você está aqui: Página Inicial / importação / noticias / 2018 / 07 / 20 / ‘Não existe justiça social se existir fome’, diz Edinho nos 11 anos do Banco de Alimentos

‘Não existe justiça social se existir fome’, diz Edinho nos 11 anos do Banco de Alimentos

Solenidade que marcou a adesão ao Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional e à Rede Brasileira de Bancos de Alimentos foi realizada nesta sexta (20)
 O Banco de Alimentos de Araraquara, vinculado à Coordenadoria de Segurança Alimentar, viveu um dia especial nesta sexta-feira (20). Além de completar 11 anos de fundação, o equipamento municipal aderiu ao Sisan (Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional) e à Rede Brasileira de Bancos de Alimentos.Os principais benefícios dessa adesão são o desenvolvimento de ações em consonância com a política nacional, a captação de recursos federais e a participação em editais do Ministério do Desenvolvimento Social, a capacitação de gestores, além de promover cidadania, saúde e qualidade de vida com acesso à alimentação saudável.“Vivemos uma situação muito difícil no Brasil. A pobreza, a miséria e a fome voltaram por conta do aumento do desemprego. Segurança alimentar é garantir alimentos na casa das famílias de maior vulnerabilidade. Não existe justiça social se existir fome”, afirmou o prefeito Edinho, que parabenizou todos que trabalham no Banco de Alimentos e colaboram para seu fortalecimento.A secretária de Assistência e Desenvolvimento Social, Jaqueline Barbosa, lembrou que as famílias mais vulneráveis e instituições recebem cestas do Banco de Alimentos. “Não dá para se falar em projetos, programas e serviços se a gente não matar a fome. Esse é um momento de celebração”, afirmou.O coordenador de Segurança Alimentar, Marcelo Mazeta, agradeceu a todos que trabalham no Banco de Alimentos, aos produtores rurais e aos doadores do comércio. “O dia será histórico para o Município e a população. Continuaremos lutando por uma sociedade com menos fome, mais saudável e com mais igualdade social.”Silvani Silva, coordenadora de Agricultura, também destacou a importância desse trabalho. “Vamos lutar para que, um dia, nossos netos não sejam beneficiados, porque ganharemos a luta contra a fome”, ressaltou.Representando o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, Elcio de Souza Magalhães, coordenador geral de apoio à implantação e gestão do Sisan, disse que o ministério quer dar voz aos municípios. “Araraquara, além de ser uma referência a nível nacional, vai poder reivindicar mais ações”, disse. “Todos têm o direito fundamental à alimentação.”O vereador Paulo Landim (PT), representando a Câmara Municipal, parabenizou a todos do Banco de Alimentos pelo trabalho. “O Marcelo Mazeta e toda equipe estão fazendo um grande trabalho. Araraquara é abençoada”, relatou.Também participaram do evento o vice-prefeito e secretário do Trabalho e do Desenvolvimento Econômico, Damiano Neto; secretários e coordenadores municipais; representantes de empresas e instituições doadoras de alimentos, que foram homenageados; o representante do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, Edgard Aparecido de Moura; a representante estadual de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável e da Câmara Intersecretarial de Segurança Alimentar e Nutricional, Suzely de Miranda; a representante da Comissão Regional de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável de São Carlos, Terezinha Arruda; e o vice-presidente do Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, Paulo Vianna.​​11 anosO Banco de Alimentos está vinculado à Coordenadoria de Segurança Alimentar, órgão da Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social. Inaugurado em 21 de julho de 2007, no segundo mandato de Edinho, o equipamento foi um dos primeiros a serem implantados no modelo estabelecido pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome em todo o Brasil.Em 2018, o Banco de Alimentos receberá, por mês, aproximadamente 25 toneladas de alimentos, entre frutas, legumes e verduras, que são comprados junto a 89 agricultores familiares e assentados da Reforma Agrária.O equipamento também recebe produtos alimentícios da iniciativa privada – Carrefour, Atacadão, Passarinho Hortifruti e Cutrale –, numa média de 6 toneladas de alimentos/mês.Atualmente, são atendidas quase 50 entidades socioassistenciais de Araraquara, atingindo cerca de 2.500 pessoas em situação de vulnerabilidade econômica e social nas mais diversas regiões da cidade.