Você está aqui: Página Inicial / Notícias / 2019 / Julho / 11 / Revitalização da Casa da Cultura vence Plenária da Cidade e será colocada no Orçamento de 2020

Planejamento

Revitalização da Casa da Cultura vence Plenária da Cidade e será colocada no Orçamento de 2020

Imóvel, que guarda acervo cultural e histórico de Araraquara, precisa de reformas estruturais; última plenária do OP foi realizada na noite de quarta (10)
foto03 Prefeito Edinho durante plenária Temática Cidade, que teve 320 participantes 11jul19 Tetê Viviani (1).jpg

 

 

A revitalização da Casa da Cultura “Luís Antonio Martinez Corrêa” foi a obra vencedora da Plenária da Cidade do Orçamento Participativo, a última plenária do OP em 2019, na noite de quarta-feira (10), no Teatro Wallace.

O imóvel que abriga a Casa da Cultura, no Centro de Araraquara, tem 105 anos de construção. O local guarda acervo cultural e histórico de Araraquara e necessita de reformas estruturais para continuar atendendo a população. A proposta recebeu 176 votos entre as 320 pessoas presentes.

Ao todo, cinco propostas foram apresentadas dentro dos três temas mais votados no OP Digital, a fase preliminar da plenária. Além da obra vencedora, da Cultura, também foram apresentadas sugestões em Saúde e Esportes: o emborrachamento da Pista de Atletismo “Armando Garlippe” (ao lado do Ginásio da Pista) recebeu 64 votos; a implantação de academias de saúde no Parque Infantil teve 56 votos; uma nova sede para o CAPS (Centro de Atenção Psicossocial) recebeu 8 votos; e a ampliação de leitos de internação teve 5 votos.

A reforma da Casa da Cultura será incluída na LOA (Lei Orçamentária Anual) da Prefeitura para 2020, com objetivo de ser planejada e executada. O processo de elaboração do projeto e realização da obra será acompanhado pelo COP (Conselho do Orçamento Participativo), que tem representantes eleitos nas plenárias.

“A Casa da Cultura é um prédio histórico. Só por isso, já valeria a pena pleitear essa reforma. Ela é parte da história de Araraquara. Dentro, ela carrega obras de artes, um museu com muitos registros e documentos. É a cidade preservada dentro dessas paredes. Junto a isso, temos as manifestações artísticas, como as exposições, o teatro, a dança, a música”, afirma Márcio Pontes, presidente do Conselho Municipal de Cultura, que defendeu a obra na plenária.

“A Casa da Cultura é um grande símbolo cultural de Araraquara e precisa muito de reformas estruturais para continuar conservando boa parte da nossa história”, destacou o prefeito Edinho.

“Muito obrigado a todos que participaram das plenárias sub-regionais, regionais, temáticas e da Plenária da Cidade. O OP é uma nova forma de governar. Um modelo em que a população decide os rumos de Araraquara, e não somente o prefeito e os vereadores. Só tem uma forma de governar com transparência: é com o exercício da democracia”, complementou o prefeito.

Ainda estiveram na plenária os vereadores Paulo Landim (PT), Toninho do Mel (PT) e Zé Luiz (PPS); secretários, coordenadores, gestores municipais e a equipe de organização do OP; o presidente do COP (Conselho do Orçamento Participativo), Henrique Rossetti; além do público presente.

História
A Casa da Cultura “Luís Antonio Martinez Corrêa” foi construída em 1914 e projetada pelo arquiteto e engenheiro civil Alexandre Albuquerque, de São Paulo.

O prédio abrigou inicialmente o “Araraquara College” e, em 1919, a Prefeitura instalou a “Escola Mackenzie”, ligada ao Mackenzie de São Paulo. Em 1933, o prédio foi cedido ao Governo do Estado, que instalou o “Gynázio Estadual de Araraquara” — em 1940, passou a se chamar “Ginásio e Escola Normal de Araraquara”. Nascia, assim, o tradicional “Instituto de Educação Bento de Abreu”.

De 1960 e 1973, o imóvel foi ocupado pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Araraquara, criada em 1959.

Em novembro de 1981, o prédio foi tombado pelo Condephaat e, no ano seguinte, foi reinaugurado como Casa da Cultura. Em 1988, a Casa da Cultura passou a se chamar “Luís Antonio Martinez Corrêa”, em homenagem ao ilustre teatrólogo araraquarense brutalmente assassinado em 1987, no Rio de Janeiro.

Atualmente, a Casa da Cultura possui três salas para exposição de quadros, esculturas e fotografias, além de nove salas especiais para cursos e oficinas nas áreas de escultura, pintura, música, dança, artes cênicas, desenho, entre outras.

O prédio também abriga o auditório “Jean Paul-Sartre”, com capacidade para 104 pessoas, utilizado para palestras, reuniões, workshop e projeções de vídeos.

Outros serviços encontrados na Casa da Cultura são a Pinacoteca Municipal “Mario Ybarra de Almeida”, com um acervo de mais de 890 obras; o Museu da Imagem e do Som “Maestro José Tescari”; a Discoteca “Jofre David”; o Projeto Núcleo de Formação; o Arquivo Público Histórico Municipal “Professor Rodolpho Telarolli”; o Teatro Wallace Leal Valentin Rodrigues; e a Orquestra Jovem de Araraquara – Núcleo de Aperfeiçoamento.

 

 

 

 

 

registrado em: , ,