Você está aqui: Página Inicial / Notícias / 2019 / Maio / 17 / “Da Abolição ao Reconhecimento” marca maio em Araraquara

Social

“Da Abolição ao Reconhecimento” marca maio em Araraquara

Ações temáticas são desenvolvidas via secretarias municipais de Assistência e Desenvolvimento Social, Saúde e Educação
aaffa337-7fd1-44a3-b459-e54e5aab3bda.jpg

 

Confira a entrevista na íntegra:

https://www.facebook.com/prefeituraararaquara/videos/323298975015923/?t=0

 

Desde terça-feira, 14 de maio, a Prefeitura realiza em Araraquara a 3ª edição do projeto "Da Abolição ao Reconhecimento”. O projeto visa debater a data 13 de Maio (que lembra a abolição da escravidão no Brasil, em 13 de maio de 1888, e se tornou o Dia Nacional de Combate ao Racismo) com a questão da violência racial no município.

Na última terça-feira (13), no programa ‘Canal Direto com a Prefeitura’ – no ar, ao vivo, de segunda a sexta-feira, às 18h30, pela página do Facebook da Prefeitura de Araraquara -, o coordenador de Políticas Públicas de Promoção e Igualdade Racial (órgão da Secretaria Municipal de Planejamento e Participação Popular), Luiz Fernando Costa Andrade, explicou as ações.

A mais importante dessas ações, segundo Luiz Fernando, envolve o próprio reconhecimento sobre a data 13 de maio e três secretarias municipais que atuam diretamente junto à população.

Uma delas é a Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social, a partir dos Cras – Centros de Referência em Assistência Social, para, em rodas de conversas, debater as questões sobre racismo e violência. “Não somente a violência física, que em muitas vezes perpassam até a questão racial”, disse Luiz.

 

Cartilha temática

 

Outra ação é o lançamento inédito da ‘Cartilha Municipal de Injúria Racial’, de iniciativa da Assessoria de Política de Igualdade Racial e Conselho Municipal de Combate à Discriminação e ao Racismo.

Segundo Luiz Fernando Costa Andrade, a cartilha abordará, sobretudo, a questão da injúria racial por ser maior o número desses casos registrados no município, normalmente não enquadrados como racismo. “Às vezes, são brincadeiras inaceitáveis que a partir de uma forma jocosa acabam se transformando numa violência verbal”, explicou.

“A cartilha, além de contextualizar a discussão sobre racismo, injúria e discriminação racial, terá informações que subsidiarão eventuais vítimas, explicando como se dá a participação dos atores e instituições responsáveis para dar tratamento e resolução a esses casos”.

 

Conscientização

 

A ‘Cartilha Municipal de Injúria Racial’ também buscará apresentar quais são as etapas a serem seguidas para quem sofrer algum tipo de agressão, “embora o papel da Assessoria e do Conselho não seja o de judicializar e, sim, uma forma de conscientização geral sobre o tema”, lembrou Luiz.

Outra ação de maio, ainda dentro do projeto “Da Abolição ao Reconhecimento”, está relacionada às secretarias municipais de Saúde e Educação, envolvendo agentes desses setores junto à população nos debates temáticos.

Conforme acrescentou Luiz Andrade, a partir dessas duas áreas, serão elaboradas ações conjuntas envolvendo, inclusive, o Plano Municipal de combate à discriminação e ao racismo.