Você está aqui: Página Inicial / Notícias / 2020 / Março / 11 / Investimentos na Saúde chegam a R$ 307 milhões, o equivalente a 39% do orçamento municipal

Saúde

Investimentos na Saúde chegam a R$ 307 milhões, o equivalente a 39% do orçamento municipal

No primeiro Canal Direto Especial – Balanço das Secretarias, Eliana Honain, secretária da Saúde, aponta os principais avanços da pasta nos últimos anos
IMG_20191125_101439885.jpg

 

 

 

Mais recursos investidos, adoção de novos protocolos e a implantação do programa Saúde Cidadã, que agilizou a realização de cirurgias e exames que estavam represados, são alguns dos avanços da saúde municipal demonstradas em números pela secretária municipal Eliana Honain, no primeiro Canal Direto Especial – Balanço das Secretarias que foi ao ar no Facebook da Prefeitura na segunda-feira (9).

Apesar das dificuldades enfrentadas, a saúde avançou muito desde o início da gestão do prefeito Edinho, em 2017, e continua avançando.

“A Saúde é prioridade no governo Edinho”, garante a secretária, destacando o significativo aumento do percentual de aplicação de recursos do orçamento municipal em Saúde nos últimos três anos: em 2016, foram investidos R$ 206 milhões, o equivalente a  29% dos recursos do tesouro municipal. Já em 2019, o salto foi de quase 50% ou R$ 100 milhões, passando para R$ 307 milhões, ou 39% do orçamento do município.

Investimentos que garantiram o aumento no número de profissionais que atuam na área de 1.749 para 2.282, no mesmo período, além de obras físicas importantes, como a nova Unidade do Victório de Santi, o Ambulatório de Ozonioterapia, a ampliação de 18 leitos de internação na Santa Casa de Araraquara, entre outros. Também estão em fase de conclusão três novas unidades: a reforma do Pronto-Socorro do Melhado, a Unidade Básica de saúde do São Bento e o Centro de Referência do Autismo, que deve ser inaugurado em 4 de abril, na semana Mundial de Conscientização sobre o Autismo.

Esses investimentos asseguraram a implantação de iniciativas fundamentais no avanço do atendimento à população, entre elas a ampliação do quadro de medicamentos padronizados com distribuição contínua; a criação do programa Saúde em Casa, a distribuição de medicamento nas UPAS nos finais de semana e feriado e a adoção do protocolo de distribuição de fraldas descartáveis.

Além disso, com a restruturação das três Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), foi possível fazer a manutenção das equipes médicas, incluindo a inserção do pediatra na UPA do Valle Verde, onde a demanda por esta especialidade é maior.

 

Número de consultas

 

Em relação ao número de consultadas realizadas nas UPAs, o aumento foi de 85% de 2016 para 2019, passando de 167.296 e 311.325. “Isso não significa que a população adoeceu, mas sim que as UPAs passaram a funcionar com toda a sua capacidade instalada”, explica Eliana, apontando como medidas adotadas pela atual gestão a reestruturação das UPAS com a nova OS (Fungota), a contratação de médicos, a organização de escala e o controlador de acesso. Além disso, agora há o fornecimento de refeições para os funcionários das Upas e Samu e o fornecimento de lanche para os pacientes que permanecem aguardando vaga para internação.

“Na UPA Valle Verde, nós tínhamos só funcionários remanejados de outras unidades cumprindo horas-extras. Reestruturamos a equipe, inclusive com pediatria. O mesmo foi feitos das outras UPAs. Na UPA do Centro, hoje temos 2 pediatras, mais 3 clínicos gerais, mais um ortopedista. O nosso desafio ainda é falta de médico na rede básica, principalmente médicos da Estratégia de Saúde da Família, porque os 10 profissionais do programa Mais Médicos saíram e não foram repostos pelo Governo Federal. Com isso, nossa dificuldade é locar esses profissionais, realizar concursos”, aponta a secretária.

“Ao mesmo tempo em que melhoramos o atendimento de saúde bucal, ampliando os atendimentos na ordem de 70%; em 2019, contratamos 16 novos cirurgiões dentistas em caráter temporário e ampliamos a capacidade de atendimento nas nossas unidades e também no CEO, o Centro de Especialidades Odontológicas”, acrescenta.

 

Redução na Mortalidade Infantil

 

Outro avanço destacado por Eliana Honain nos últimos anos diz respeito à mortalidade infantil e à mortalidade materna no município.

“Em 2019, a taxa de mortalidade infantil foi de 6,56%, o que significa que entre mil crianças, 6 morreram. Anteriormente, a média era de 12%. O mesmo ocorreu com a taxa de mortalidade materna, que caiu também pela metade”, informa, ressaltando ainda a redução na ordem de 50%, entre 2016 e 2019, do números de adolescentes grávidas com idade entre 10 e 19 anos. “Isso se deu graças ao trabalho de prevenção que realizamos, focado na educação, com esclarecimentos nas escolas, oferecimento de métodos anticoncepcionais, além da atuação dos profissionais do CTA (Centro de Testagem e Aconselhamento), que orientam sobre prevenção às DSTs”.

 

Aumento de 108% aporte de recursos para medicamentos

 

A primeira tarefa desafiadora, em 2017, segundo Eliana Honain, foi normalizar a oferta de medicamentos na rede básica de saúde do município. E ela contou com um aporte importante de recursos: os investimentos na compra de medicamentos tiveram uma alta de 108%, de 2016 para 2019, passando de R$ 3.6 milhões para R$ 7.6 milhões.

“Resolver essa questão de falta de medicamentos nos foi exigido logo na primeira semana de governo pelo prefeito Edinho e ele nos cobra rotineiramente em relação a isso. Toda semana, o prefeito quer uma relação de medicamentos e dos materiais que estão em falta na rede e os motivos da falta. Quando nós assumimos, a rede estava desfalcada em mais de 110 medicamentos que eram padronizados. As situações mais gritantes eram medicamentos utilizados nos tratamentos de diabetes, hipertensão e também problemas respiratórios, todos muito caros. Colocamos isso em dia e iniciamos um processo de reuniões com médicos da rede, com especialistas. Incrementamos nossa lista com mais 43 itens que estavam fazendo falta por conta da demanda e assim ampliamos a distribuição desses medicamentos. Também por não termos farmácia em todas as unidades de saúde, isso dificultava o acesso aos medicamentos. Reabrimos a farmácia da unidade do Hortênsias e vamos reabrir do Laranjeira 2. E está estabelecido que nenhuma unidade nova seja aberta sem farmácia”, afirma ela, destacando a criação e implantação do programa Saúde em Casa, criado para atender principalmente os bairros que não contam com farmácia nas unidades de saúde.

Com o Saúde em Casa, as pessoas com patologias crônicas recebem medicamentos em suas residências. Em 2 anos de implantação, o crograma já atende  128 bairros ou 40% da população atendida com medicamentos pela rede municipal de saúde.

Outro avanço foi na distribuição de fraldas, com adoção de novo protocolo.  Em 2017, quando assumiu, segundo Eliana, a oferta de fraldas descartáveis pela rede municipal atendia basicamente recomendações judiciais. Hoje são 150 mil fraldas fornecidas por mês a crianças a partir de 3 anos, com  alguma patologia relacionada, e  fraldas geriátricas.

“Com a implantação do protocolo de distribuição gratuita de fraldas não temos mais ações judiciais com solicitação desse produto, visto que a demanda é crescente e por via judicial não era possível estabelecermos critérios como quantidade fornecida e a não escolha de determinadas marcas”, explica.

 

Exames e cirurgias eletivas

 

Por meio do programa Saúde Cidadã, a Secretaria Municipal de Saúde conseguiu agilizar a realização de cirurgias e exames que estavam represados havia muitos anos. Por meio de parcerias firmadas com a Maternidade Gota de Leite e a Santa Casa de Araraquara, foi possível a realização de diversos procedimentos, como a mamografia, que teve a fila zerada e registro de um aumento de 82% no número de exames realizados: foram 5.434 mamografia em 2016, ante a 9.936 em 2019. Em geral, o aumento no número de exames realizados aumentou de 774.824 em 2016 para 1.040.876 em 2019, o equivalente a 34%.

“Investimentos em exames, neste período, se aproximaram de R$ 29 milhões. Avançamos bastante e ainda precisamos avançar, porque sempre tivemos uma fila muito grande de exames. Ultrassom é a demanda mais reprimida e estamos fazendo todos os esforços. É uma questão pontual, porque o exame de ultrassom requer a participação do médico. Também era muito grande a fila de biopsias e isso foi otimizado”. 

Foi também por conta do programa Saúde Cidadã que o município progrediu no número de cirurgias eletivas. Enquanto em 2016 foram realizadas 1.717 cirurgias eletivas, em 2019 foram 2.213, ou 28% a mais. Neste mesmo período, os investimentos superaram R$ 14 milhões.

Antes de encerrar o Canal Direto Especial – Balanço das Secretarias, Eliana Honain também mencionou os investimentos realizados pelo município no combate à dengue. Somente na Vigilância Epidemiológica, onde estas despesas estão inseridas, foram quase R$ 10.5 milhões em 2019.

“Mesmo com a redução de quase 3 mil casos em fevereiro do ano passado para 51 casos em fevereiro deste ano, até agora ainda estamos tendo transmissão na cidade e pessoas estão adoecendo. Por isso, não podemos esmorecer. É preciso manter o controle dos criadouros nas casas e nos ambientes de trabalho, porque a participação de todas a população é fundamental nessa luta”, avalia a secretária municipal de Saúde, Eliana Honain.

registrado em: ,