NOTÍCIAS

Voltar

Festival de Dança chega repleto de atividades em setembro

25 de agosto de 2017


Setembro chega com a 17ª edição do Festival de Dança de Araraquara, evento realizado pela Secretaria Municipal da Cultura, Fundart e Secretaria Municipal de Educação, com parceria do SESC e SESI Araraquara. Com apoio do Hotel Municipal, Hotel Uirapuru, Max Salada Grill, Acarajé com Arte e uma equipe de produção que conta com jovens estudantes de artes e voluntários da cidade, além de participantes de vários Estados brasileiros, como Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Rio de Janeiro, Ceará – além de São Paulo. O festival acontece entre os dias 09 e 17, com todas as atividades gratuitas.

Com uma programação repleta de atividades, o Festival apresenta os eixos temáticos: “Aracoara” (atividades pela manhã): ações formativas para docentes de Artes de Araraquara, das 8 às 13 horas, no CEAR; “Morada do Sol” (tarde): oficinas de dança para dançarinos de múltipla formação em dança; e “Buraco de Arara” (noite), com mostra de espetáculos.

“O Festival de Dança, em sua 17ª edição, projeto longevo e marcante do município, é retomado agora com um vigor especial, que recoloca a dança na posição que lhe cabe no cenário local. A mescla que estimula o diálogo entre os espetáculos, as atividades de formação e a descentralidade, fazem a diferença na qualidade geral do que será apresentado”, aponta a secretária municipal da Cultura, Teresa Telarolli.

A curadora e organizadora do evento – a artista da Dança, também Professora Doutora dos Programas de Pós-Graduação em Dança e em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia, a bailarina araraquarense Gilsamara Moura – explica que “o Festival de Dança de Araraquara ganhou visibilidade nacional desde sua criação em 2001 e, agora, pretende voltar com a força de antes, com uma programação que prioriza os artistas e docentes locais, além de promover formação de público para as artes e gerar intercâmbios artísticos.”

Aracoara – O Eixo Aracoara, com ações formativas para docentes, contará com o mini-curso de 40 horas com certificação “Ações formativas para docentes de Artes”, das 8 às 13 horas, no Cear. A atividade acontece no período de 09 a 16 de setembro, liderada por Denny Neves (PE) e Gilberto Santiago (BA), com convidados ao longo da semana num verdadeiro caldeirão de troca de conhecimentos em artes em geral.

 “O objetivo deste curso é qualificar, atualizar, criar redes e grupos de estudos que permanecerão após o festival. O mini-curso pretende reencantar os espaços artístico-pedagógicos promovendo troca de conhecimentos, estudos de caso, apreciação estética, elaboração crítica, sempre com a ideia de teoria e prática juntas. Será um espaço de reinvenção da Arte”, explica Gilsamara.

Serão 50 vagas destinadas aos professores das Oficinas Culturais, da Escola Municipal de Dança, da Rede Municipal de Ensino, Academias de Dança da cidade e demais interessados, até se completar o número máximo de vagas. As inscrições estarão abertas entre os dias 01 e 08 de setembro, pelo email:festivaldedanca2017@gmail.com. Os certificados serão emitidos pela Universidade Federal da Bahia aos que obtiverem 75% de presença. O curso prevê, para o último dia de aula, uma apresentação pública do resultado do trabalho, às 10 horas do dia 16.

O Eixo Aracoara também contará com o “Arte no Currículo”, que consiste em uma exposição pública do projeto que tem revolucionado a Arte nas escolas públicas de Salvador, na Bahia. A Profª Drª Beth Rangel apresenta o projeto “Arte no Currículo” na Secretaria Municipal da Educação, para docentes da rede municipal de ensino, no dia 11; no dia 12 serão apresentados “Arte no Currículo” e “EAD (Ensino à Distância) em Dança”, num encontro de docentes da UFBA com os gestores da Prefeitura de Araraquara e Secretaria Municipal da Educação; e, ainda no dia 13, haverá “Conversas sobre dança e Educação”, com Helena Katz (SP), Daniela Amoroso (SP-BA) e Jai Bispo (BA), com mediação de Gilsamara Moura, das 10 às 13 horas.

Morada do Sol – Este é o eixo das oficinas de dança para dançarinos. A abertura conta com o “Encontro de Cultura Popular”, das 15 às 18 horas, na EMEF Prof. Henrique Scabello, no Hortênsias, em evento voltado para músicos, capoeiristas, b-boys e interessados em geral. “A participação é livre: é só chegar e integrar-se. Será uma grande celebração de manifestações populares do bairro e entorno”, lembra a curadora.

Nos dias 12 e 13, o convidado é Jai Bispo (BA) com “Poéticas do chão na Dança”, das 14 às 17 horas, no CAIC do Vale do Sol. “Esta oficina visa trabalhar com estudo de movimento a partir da relação do corpo com o chão, por meio de situações técnicas investigativas criativas. Chão lugar, chão contexto, chão história, chão memória, chão pessoas… dançado como poética e política”, conta Gilsamara.

 Já nos dias 14 e 15, o mineiro Vanilton Lakka ministra “Conexões entre Dança de Rua e Dança Contemporânea”, das 14 às 17 horas, no CEU das Artes do Indaiá.

 No dia 15 também haverá, na Casa da Cultura, o workshop “Composição Coreográfica”, com a carioca Camila Fersi, das 14 às 17 horas. A proposta é trabalhar maneiras de se criar partituras de dança a partir das relações entre tempo, espaço, peso e dinâmica do movimento. “Trataremos da ideia de paradoxo no corpo, enquanto estímulo que provoca tensão no movimento e põe em evidencia as linhas de força entre dentro e fora, individual e coletivo, pessoal e público”, explica.

A oficina “Bailar com lo invisible – praticas de improvisación”, com Martin Piliponsky (Buenos Aires), acontece nos dias 16 e 17, das 14 às 18 horas, na Academia Art Dance. A oficina é dirigida a todas as pessoas interessadas em movimento e fisicalidade, profissionais ou amadores, com ou sem experiência, atores, bailarinos e performers, mas sobretudo, para pessoas que buscam ampliar sua consciência física como prática nas artes e seus diferentes contextos.

Buraco de Arara – A mostra de espetáculos abre, no dia 09, com a Cisne Negro Cia. de Dança apresentando o espetáculo “Ziggy – Tributo a David Bowie”, às 20 horas, no Sesc Araraquara – parceiro do Festival. O espetáculo, com coreografia de Mario Nascimento, propõe um mergulho no mundo e nas sensações que as músicas de Bowie transmitem. São 40 minutos de espetáculo, com nove bailarinos, mostrando como Bowie influenciou o mundo com seu psicodelismo.

Os alunos da Escola Municipal de Dança Iracema Nogueira (EMD) apresentam “Tempo de Poesia”, no palco da EMD, às 19 horas, no dia 10. A produção e execução do espetáculo contam com 150 alunos, envolvidos nesse convite à poesia, ao ato de degustar a palavra. Todas as linguagens artísticas aparecem no espetáculo: a Dança Contemporânea, o Ballet Clássico, o Sapateado, a Capoeira, o Teatro, a Música, as Artes Visuais, além da produção textual na forma de poesia, já que muitos alunos escreveram seus poemas também.

Ainda no Palco da EMD, no dia 12, o Núcleo da EMD, realiza apresentação de “Nuvens de algodão, céu de celofane”, às 19 horas. Este Núcleo é composto por alunos formados e formandos. Neste mesmo dia, no Teatro Wallace Leal, a partir das 22 horas, acontece Sessão Maldita com a participação de artistas e grupos independentes de Araraquara.

O bailarino pernambucano que reside em SP, Ângelo Madureira é a atração no dia 13, às 19 horas, com o espetáculo “Delírio”, no Teatro Wallace Leal. “Delírio” antecede a abertura da Mostra de Filmes “Odara – olhares da dança audiovisual em Araraquara”, no mesmo local, às 20h30, sob curadoria da artista da dança Profª. Drª. Daniela Guimarães.

Uma “Noite de Dança Feminista” marca o dia 14: Geórgia Palomino apresenta “Ella a 7 chaves”, Daniela Amoroso apresenta “Hortênsia” e Gilsamara Moura traz seu “NINHO: casa(H)era”. A programação tem início às 20 horas com as três bailarinas araraquarenses apresentando solos e tratando a questão de gênero de maneira diferente, potente e complementar.

No dia 15, a partir das 20 horas, dois trabalhos serão apresentados na Estação Ferroviária: “Rastros”, com Vanilton Lakka; e “Performance”, com o argentino Martin Piliponsky. Os performers – de dois países diferentes -interagem neste espaço de trânsito, de chegadas e partidas.

Mais dois trabalhos estão na programação do dia 16, no Sesc Araraquara: “Desatar”, com Cia. Alysson Amâncio (CE) e “Ofélia – territórios movediços”, com Camila Fersi (RJ). As apresentações terão início às 20 horas, no Teatro do Sesc Araraquara. No mesmo dia, será realizada a Festa da Dança, em local e data a serem definidos.

Por fim, a Mostra das Academias de Dança de Araraquara encerra a programação no dia 17, no Palco da EMD, a partir das 19 horas com a participação de mais de 15 coreografias numa noite solene.

“Haja fôlego, mas é isso mesmo, a Dança movimenta muita energia e é isso que queremos para Araraquara nestes 200 anos. Queremos nos encantar  novamente para seguir transformando a cidade cada vez mais. O Festival Internacional de Dança 2017 voltou com energia renovada e contamos com a presença e participação da população. A Arte é uma forma potente de celebrar a vida”, finaliza a curadora.

Voltar

Acesso Rápido

Siga-nos no Facebook

Links Úteis