Você está aqui: Página Inicial / Notícias / 2019 / Abril / 23 / Raposa do Campo resgatada na cidade volta para a natureza

Notícias

Raposa do Campo resgatada na cidade volta para a natureza

Equipe do Daae resgatou o filhote na Bento de Abreu, semana passada
57154976_2128580293857516_2727345219832905728_n.jpg

 

 

A equipe de Gestão de Fauna do Daae Araraquara resgatou um filhote de Raposa do Campo que estava perdido na área externa do supermercado Dia, na avenida Bento de Abreu semana passada. 

Segundo João Henrique Barbosa, coordenador da equipe, a raposa é um animal noturno, provavelmente, saiu de seu habitat para procurar alimento e se perdeu. “O trânsito da cidade também dificulta o retorno para a mata”, disse.

A população não precisa se preocupar, ao se deparar com um animal silvestre em área urbana, basta ter cautela no contato e não oferecer alimentos, pois isso pode criar um mau hábito no animal. Caso aviste algum, entre em contato com a Equipe de Gestão de Fauna do Daae pelo 0800 770 1595 ou com o Corpo de Bombeiros pelo 193.

A raposinha estava em bom estado e foi levada de volta para a natureza.

 

Confira um artigo da equipe de Gestão de Fauna do Daae sobre o assunto:

 

No último dia 18 de Abril, chegou à Unidade de Gestão de Fauna- UGFa do Daae uma ocorrência sobre uma raposa-do-campo. Até aí, tudo certo, afinal esta unidade atende esse tipo de demanda todos os dias. Porém, o que chamou a atenção foi o local onde o animal estava: em plena avenida Bento de Abreu, uma das vias mais movimentadas da cidade. Mas o que este animal estava fazendo ali, indagava a população. E para tentar explicar essa situação, é preciso primeiro entender um pouco da biologia do animal em questão.

A raposa-do-campo (Lycalopex vetulus) é um canídeo nativo do Brasil, que habita os campos e cerrados em uma área de distribuição ainda discutida, mas que inclui o Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais e São Paulo, partes do Tocantins, Bahia, e uma pequena área entre Piauí, Ceará e Paraíba. É mais ativa à noite, mas também sai de sua toca durante o dia. Os animais dessa espécie vivem sozinhos. O corpo tem cerca de 60 centímetros de comprimento com cauda medindo cerca de 30 centímetros. É preferencialmente carnívora, caça aves, pequenos roedores e insetos, mas pode, eventualmente, alimentar-se de frutos. A fêmea escolhe um local protegido, geralmente uma toca abandonada ou um buraco em um cupinzeiro. Após dois meses de gestação, dá à luz 4 ou 5 filhotes, e pode tornar-se agressiva se precisar defender a prole. É um animal muito atento e percebe tudo o que ocorre ao seu redor. A visão, a audição e o olfato são muito desenvolvidos. É um dos menores cachorros selvagens brasileiros, com uma massa de cerca de 4 kg.

Como se trata de um animal de ampla distribuição e não muito seletivo quanto à alimentação, é muito adaptado a locais mais degradados ou menos preservados como a “borda” das cidades, porém, evitam o contato com humanos e animais domésticos.

 

Então por que esta raposa estava no centro da cidade de Araraquara?

 

Diversas podem ser as justificativas para tal fato, mas antes é preciso entender que o desenfreado crescimento das cidades impacta diretamente as áreas naturais, o que afeta a fauna silvestre de diferentes maneiras. Algumas espécies não toleram tais alterações, seja por perda de habitat ou, por serem muito específicas quanto à alimentação, pela escassez de alimentos e acabam desaparecendo. Outras espécies se adaptam melhor a esse “novo ambiente”, como é o caso da raposa-do-campo, e na busca por alimento e abrigo e por não conseguirem distinguir onde termina a mata e começa o ambiente urbano, acabam chegando às cidades, o que torna esse tipo de ocorrência cada vez mais comum.

Por sorte, a raposa que apareceu na avenida Bento de Abreu foi resgatada e devolvida ao seu habitat natural. Porém, muitos animais que acabam adentrando às cidades são mortos por atropelamento, por animais domésticos ou pela própria população, que muitas vezes desconhece o porquê do bicho estar ali, acreditando que tal animal fará algum mal ou transmitirá algum tipo de doença.

A soltura foi realizada em uma das áreas monitoradas pela UGFa, que pós traçarmos a rota do animal contatamos ser a mais próxima do provável local de onde ela saiu.

 

Equipe de Gestão da Fauna

 

Link para o vídeo: https://www.facebook.com/prefeituraararaquara/videos/995659514156037/