Você está aqui: Página Inicial / Notícias / 2020 / Agosto / 10 / Amamentação: importância e protocolos de doação de leite materno dentro da pandemia

Saúde

Amamentação: importância e protocolos de doação de leite materno dentro da pandemia

Canal Direto_Agosto Dourado.jpeg

 

 

“Agosto Dourado” incentiva amamentação e doação de leite materno

Referência regional no atendimento a mulheres, Maternidade Gota de Leite precisa aumentar o estoque do posto de coleta

 

 

A importância do leite materno como fonte de alimentação completa para o bebê é destacada este mês em Araraquara com o “Agosto Dourado”. Integrado à Semana Mundial de Incentivo à Amamentação, este mês também incentiva a doação de leite materno.

Como referência regional no atendimento a mulheres da cidade e da região, a maioria usuária do SUS (Sistema Único de Saúde), a Maternidade Gota de Leite contabiliza hoje um estoque de leite materno no posto de coleta com apenas um terço de sua capacidade.

Segundo a enfermeira obstetra do posto de coleta, Karina dos Reis Pereira Longuinhos, o hospital realiza a campanha de doação do leite materno para aumentar o número de doadoras, junto com o incentivo à amamentação.

“Além do curso normal de coleta que já possui um critério rigoroso, com a pandemia há um cuidado ainda maior na paramentação e higienização para a ordenha, tanto para as mães que amamentam os bebês no hospital quanto para as que fazem as doações”, disse Karina, na segunda-feira (10), em entrevista ao programa Canal Direto com a Prefeitura - Especial Coronavírus, via Facebook do Município.

Para Karina, as reservas do posto de coleta da Gota de Leite também diminuíram por conta do isolamento social, que provocou medo e afastou algumas mulheres doadoras, apesar de toda a paramentação.

A enfermeira acrescentou que a campanha de doação só não é recomendada hoje para a paciente que apresentar síndrome gripal. A orientação é para essa mulher aguardar por 14 dias para fazer a doação, após o fim de todos os sintomas e principalmente se ela for positivada com vírus, ou está na condição de suspeita.

Karina Longuinhos assegurou que até essa segunda-feira, dia 10, não havia nenhum registro de casou ou suspeita de Covid -19 na Gota de Leite.

“Por conta do baixo estoque, a gente sempre precisa de doadoras de leite materno”, enfatizou a enfermeira. Até porque existem mães de prematuros que precisam do incentivo para a produção do próprio leite enquanto o bebê estiver na UTI  (Unidade de Terapia Intensiva) recebendo leite doado.

Cadastramento

Para se tornar doadora, a mulher precisa comparecer à Maternidade, e fazer o cadastro. Ainda de acordo com Karina dos Reis, as doadoras mantêm contato direto com o posto de coleta através de um grupo de Watsapp.

Atualmente, 43 mulheres cadastradas doam, em média, 8 litros de leite materno por semana em Araraquara. Esse leite é pausterizado em Ribeirão Preto antes de alimentar bebês prematuros na Maternidade.

A enfermeira obstetra enfatizou que essa quantidade precisa ser três vezes maior para atender a demanda na Gota de Leite, o que reforça a importância por mais doações.

Mulheres interessadas em participar da campanha podem entrar em contato com a Gota de Leite, localizada na Rua Carlos Gomes, em frente à Praça Pedro de Toledo, no Centro, para receber todas as orientações.

Karina Longuinhos reiterou que o leite materno contém todos os ingredientes para a alimentação total da criança, sem necessidade de qualquer complementação, além de evitar doenças, inclusive para a mãe.

A entrevista completa da enfermeira Karina dos Reis Pereira Longuinhos pode ser revista na página oficial do Facebook da Prefeitura de Araraquara.

registrado em: