Você está aqui: Página Inicial / Notícias / 2021 / Julho / 26 / Inclusão do skate nas Olimpíadas anima praticantes de Araraquara

Esportes

Inclusão do skate nas Olimpíadas anima praticantes de Araraquara

Monitor das Escolinhas de Esportes acredita que Jogos de Tóquio abrem novas perspectivas para a modalidade
Escolinhas de Esportes - Skate - Arquivo pessoal (1).jpg

 

 

As Olimpíadas de Tóquio, que são disputadas até o dia 8 de agosto, trazem uma novidade que vem atraindo a atenção dos amantes de esportes radicais. Pela primeira vez, o skate passou a integrar o programa olímpico e logo no primeiro final de semana já assegurou duas medalhas de prata para o Brasil com Kelvin Hoefler e Rayssa Leal. Em Araraquara, a modalidade se fortalece a cada dia e tem justamente nos Jogos Olímpicos uma perspectiva de uma evolução ainda maior.

 

Bruno Rafael Confronieri, que é monitor de skate das Escolinhas de Esportes de Araraquara há três anos, acredita que a visibilidade da modalidade no Japão pode ser um divisor de águas para o esporte. "Acredito que através da inclusão do skate nas Olimpíadas, o esporte consiga crescer e possibilitar maior difusão dentro das práticas escolares, já que a grande maioria dos praticantes são jovens e adolescentes", destaca o professor, que tem 30 anos e é formado em Educação Física e pós-graduado em Fisiologia do Exercício pela Universidade Federal de São Carlos.

 

Ele explica que alguns fatores exigidos em modalidades olímpicas podem resultar em um novo segmento do skate, que permitirá a mais atletas conseguirem viver profissionalmente dele. "A palavra 'skate' sempre esteve agregada à política, arte, cultura, lazer e também como esporte, porém com as Olimpíadas vamos conseguir entender melhor, para as futuras competições, que o skate como esporte olímpico deve ser treinado exaustivamente e organizado como qualquer outra modalidade de competição. Isso se contrapõe totalmente com o skate de rua, que vem sendo praticado desde sempre, onde o importante é a criatividade e o lazer. Com as Olimpíadas, cria-se um novo nicho do skate, possibilitando melhoria de carreira para atletas profissionais e tornando possível o sonho de tantos, que é viver do esporte", analisa.

 

As Escolinhas de Esportes de Araraquara contam com 15 participantes com idade de 6 a 16 anos, porém o monitor acredita que mais alunos serão influenciados pelo clima olímpico. As aulas presenciais serão retomadas ainda em agosto. "O skate é um esporte caro e poucos conseguem acesso aos materiais. Com uma visibilidade maior, novos projetos poderão surgir e melhorar o acesso à modalidade", justifica Bruno, que cita ainda outros benefícios resultantes da prática da modalidade. "Os praticantes de skate desenvolvem tanto as partes físicas e motoras como também o social e intelectual. Apesar de ser um esporte desafiador, ele também proporciona a superação individual", acrescenta.

 

Ele faz uma boa avaliação do cenário atual do skate na cidade e acredita que os projetos da Prefeitura gerarão, em breve, bons frutos para o esporte. "O skate em Araraquara conta com um número bom de praticantes, pois se trata de uma cidade preocupada com o esporte, conta com uma pista de skate bem localizada, de fácil acesso a boa parte da população, e conta também com várias skateshops. É claro que ainda estamos engatinhando com o skate de Araraquara, mas isso, através do trabalho e da prática da modalidade, vão dar novas perspectivas", finaliza Bruno.

Foto (arquivo pessoal) 
Registro dos praticantes de skate em Araraquara antes da pandemia

registrado em: ,