Você está aqui: Página Inicial / Notícias / 2022 / Abril / 06 / Híbrido Etanol: Desdobramento desta quarta vai analisar impactos econômicos e sociais

Urbano

Híbrido Etanol: Desdobramento desta quarta vai analisar impactos econômicos e sociais

Manoel de Araújo Sobrinho, presidente Morada do Sol S/A, avalia a abrangência do tema, iniciado em evento realizado na cidade de Araraquara
Híbrido Etanol Novo debate acontece nesta quarta-feira 03 (1).jpeg

 

 





Nesta quarta-feira (6), às 14h, será realizado o evento "Híbrido Etanol: Desafios e oportunidades das rotas tecnológicas para a mobilidade sustentável", seminário  que dá sequência ao tema debatido pela primeira vez em outubro do ano passado no Centro de Eventos de Araraquara (CEAR). O alto nível dos palestrantes e das ideias ali apresentadas colocou luz na necessidade da criação de uma nova tecnologia de energia limpa para automóveis.

Organizador e participante do evento em Araraquara, Manoel de Araújo Sobrinho, presidente da Morada do Sol S/A, é também colaborador na organização do evento desta quarta-feira.  Ele se mostra muito empolgado com o rumo que o debate está tomando, visto que já existe a previsão de mais dois eventos, marcados para o dia 10 de maio em Sorocaba e em 22 de junho no Vale do Paraíba. "Esse evento é mais um passo na construção da compreensão necessária desse tema, que é fundamental para todos os setores envolvidos com a criação do Motor do Futuro e tudo que  ele representa para a cadeia produtiva da indústria automobilística, e principalmente  a cadeia produtiva da cana e do álcool no Brasil que está localizada na extensa região central do estado de São Paulo, devido aos impactos econômicos e sociais que essas importantes cadeias produtivas movimentam com a geração de renda, postos de trabalho, tributos e desenvolvimento econômico envolvidos", avalia.

Para ele, o debate é apenas o começo de um tema que deve ganhar proporções cada vez maiores. "No senso comum, nós somente conseguimos ver e compreender uma pequena parte, uma ponta deste iceberg econômico que representa essas cadeias produtivas no país", acrescenta.

Ele destaca também a importância do evento contar com a organização do ABC Paulista. "O ABC foi e ainda é uma das principais regiões tecnológicas e produtivas do setor automobilístico do país e é nele que está sendo gestado o evento, através da integração do capital e trabalho, principalmente pela liderança e articulação dos trabalhadores metalúrgicos da Federação dos Metalúrgicos de São Paulo, do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e das entidades representativas dos trabalhadores e da Indústria", salienta.

Afirma que é por conta dessa articulação que se tem conseguido estabelecer um debate que leva em conta os interesses estratégicos de todas as partes envolvidas no processo. "As universidades, os centros de pesquisas do estado de São Paulo e principalmente os do interior do estado e do ABC, aliados aos governos de plantão, estão tendo e terão um importante e fundamental papel nesta articulação e no desenvolvimento tecnológico desafiador que está em andamento. No fórum desta quarta-feira, queremos que a academia e a indústria nos posicione sobre o atual estágio das pesquisas e do desenvolvimento tecnológico em curso e atualize sobre quais os impactos que já podem ser previstos em toda a cadeia produtiva e nas populações envolvidas para que possamos pensar os próximos passos e articular todos os atores envolvidos. Muitos deles ainda não se deram ou não tinham se dado conta do forte impacto das mudanças já previstas", completa.

Perguntado sobre até onde espera que o tema possa chegar, Manoel se mostra otimista. "Ainda estamos conversando, mas penso que esse é um debate que deve se aprofundar e preparar todos os estados impactados, principalmente o estado de São Paulo e o Brasil, para o que significa regulamentar, estimular, induzir, produzir e utilizar novas tecnologias automotivas, de produção de motores do futuro que utilizem um recurso brasileiro, com pesquisas e tecnologias genuinamente brasileiras, renováveis, eficientes, sustentáveis e que além disso detenhamos domínio intelectual tecnológico produtivo e mantenhamos em nosso território a riqueza e os postos de trabalho gerados por ela. Os nossos pesquisadores já me fizeram acreditar e sonhar que o motor do futuro poderá e deverá utilizar o nosso álcool como base para a geração da célula de combustível que vai gerar o hidrogênio que movimentará os motores que movimentarão os carros elétricos do futuro, como bólidos no ar: silenciosos, sustentáveis, nacionais e seguros", conclui.

O evento

Com o apoio da Prefeitura de Araraquara, participarão pesquisadores, membros de universidades, representantes das entidades dos trabalhadores, direção da Volkswagen e da Toyota, além de representantes da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA) e outras instituições.

A programação será dividida em dois painéis. O Painel 1, com o tema “Rotas tecnológicas para a mobilidade sustentável”, terá a mediação de Eduardo Leão (diretor executivo da União da Indústria de Cana-de-Açúcar-UNICA) e tem seu início previsto para as 14h10. Os participantes serão Wanderlei Marinho da Silva (professor universitário e membro do Conselho da SAE Brasil), Pablo Di Si (presidente e CEO da Volkswagen Região SAM-América do Sul, América Central e Caribe) e Thiago Sugahara (vice-presidente da Associação Brasileira do Veículo Elétrico-ABVE e gerente de Assuntos Governamentais da Toyota do Brasil).

Às 15h10 terá início o Painel 2, com o tema "Marco legal para o motor do futuro", que terá a mediação do Dr. Rodrigo Fernando Costa Marques (coordenador do CEMPEQC) e contará com a participação de Margarete Gandini (coordenadora geral de Implementação e Fiscalização de Regimes Automotivos do Ministério da Economia), Evandro Gussi (CEO da União da Indústria de Cana-de-Açúcar-UNICA) e Erick Silva (presidente da Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos da CUT-SP - FEM-CUT/SP).

Híbrido etanol

O Brasil, que há décadas já utiliza o etanol como combustível limpo, é classificado como a principal fonte sustentável com base em biocombustíveis do mundo e seu etanol de cana-de-açúcar é considerado o combustível alternativo mais bem sucedido até o momento. Entretanto, a indústria automobilística global passa atualmente por uma de suas maiores reinvenções e caminha para um futuro sustentável. A novidade, que norteia o evento, é o desenvolvimento de veículos híbridos elétricos com propulsor a combustão movido exclusivamente a etanol.

A ideia envolve um sistema híbrido, composto por um motor a etanol associado a um elétrico, e as perspectivas da célula de hidrogênio. Assim, esses veículos não teriam a necessidade de serem carregados na tomada e teriam a vantagem de ter uma pegada de carbono menor do que a dos veículos somente elétricos, desde a fabricação até o descarte, o que seria de extrema relevância no atual momento em que a preocupação com o meio ambiente é uma das prioridades exigidas pelo mercado.
 
Sobre o evento

O evento “Híbrido Etanol: o Motor do Futuro” é organizado pela Federação dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo (FEM-CUT/SP), União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA) e pelo Centro Multidisciplinar de Pesquisa em Combustíveis, Biocombustíveis, Petróleo e Derivados (CEMPEQC). O encontro virtual também conta com apoio do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, da Prefeitura de Araraquara, das montadoras Volkswagen e Toyota e do CEAR, e tem como apoiadores de mídia a EPTV, os portais de notícias G1, A Cidade On e a rádio CBN São Carlos. A produção é da O.A. Eventos, empresa do Grupo EP.

O evento também contará com a participação de Industriall Brasil, Instituto Trabalho, Indústria e Desenvolvimento (Tid Brasil),  Confederação Nacional dos Metalúrgicos da Central Única dos Trabalhadores (CNM/CUT), Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos (CNTM), Federação dos Trabalhadores do Ramo Químicos da CUT do Estado de São Paulo (FETIQUIM/CUT), Sindicato da Micro e Pequena Indústria (SIMPI), Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (SINDIPEÇAS), Sindicato Interestadual da Indústria de Materiais e Equipamentos Ferroviários e Rodoviários (SIMEFRE), Sindicato da Indústria de Condutores Elétricos, Trefilação e Laminação de Metais Não-Ferrosos do Estado de São Paulo (SINDICEL) e Federação dos Empregados Rurais Assalariados do Estado de São Paulo (FERAESP).

 

registrado em: ,