Você está aqui: Página Inicial / Notícias / 2022 / Julho / 08 / Festival Internacional de Dança de Araraquara (FIDA) 2022 começa na Bahia com “Partilhas Insolentes”

Cultura

Festival Internacional de Dança de Araraquara (FIDA) 2022 começa na Bahia com “Partilhas Insolentes”

Grupo de artistas convidados se reúne em residência artística para produzir vídeos que serão veiculados durante o festival em Araraquara
Partilhas Insolentes.jpg

 

A 22ª edição do FIDA – Festival Internacional de Dança de Araraquara promete ser um grande evento e traz como grande novidade a curadoria do líder indígena Ailton Krenak, junto à idealizadora do Festival, Gilsamara Moura. A coordenação e produção do festival está na ativa desde maio e, na próxima semana, uma atividade na Bahia já movimenta a programação prévia: é a residência artística “Partilhas Insolentes”.

 

A residência “Partilhas Insolentes”, a ser realizada no território de Diogo (Bahia), foi estruturada para garantir desdobramentos e discussões sobre a insolência, a liberdade, a desobediência e a transformação. Deste encontro, serão produzidas obras em videodança a serem apresentadas na programação da Mostra Internacional de Videodança do FIDA, como também, darão continuidade ao projeto “Insolente”, idealizado por Gilsamara e Alejandra Díaz (Paraguai).

 

De acordo com Gilsamara, a curadoria está interessada em narrativas e experiências insolentes que pluralizam os processos cognitivos em Dança. “Para isso, foi convidado um grupo de pessoas artistas com vasta experiência nas áreas da Dança, Dramaturgia e Audiovisual, com interesse em trocar processos de criação e se contaminar umas com as outras.”

 

“Partilhas Insolentes” conta com a participação de quatro professores-artistas: Leila Penteado (Araraquara-SP), Jean Souza (Candeias-BA), Carol Gierwiatowsky (Araraquara-São Paulo) e Tiago Ribeiro (CE/BA), sob a mediação de Gilsamara Moura (Araraquara-SP/BA).

 

Os convidados irão conviver e partilhar experiências mútuas a cada encontro a fim de que o processo de criação da videodança seja apresentado na programação do FIDA, em setembro. Para isso, estudos dos espaços (dunas, mar, rios, matas, ruas, casas), das histórias orais, dos movimentos sociais, da organização cultural local, irão permear os processos criativos.

 

As práticas serão realizadas durante sete encontros (10, 11, 12, 13, 14, 15 e 16 de julho) no período da manhã, tarde e noite com certificação da Universidade Federal da Bahia (UFBA) – projeto de extensão. A residência Partilhas Insolentes é uma iniciativa do FIDA 2022 em conexão com a Universidade Federal da Bahia (Salvador-BA), Casa Aweté Katu (Diogo-BA), Grupo Gestus (Brasil) e Créar en Libertad (Paraguai).

 

“A residência de criação/formação Partilhas Insolentes é um importante momento para que pensamentos em Dança possam ganhar outras capilaridades e contornos para além do território de São Paulo”, destaca Gilsamara.

 

A programação do festival vem sendo produzida e a organização lembra que residências, workshops, debates e danças “selvagens” estão no programa. “Nesta edição as atividades vêm ‘selvagens’, com inspiração no ciclo selvagem da epistemologia indígena que Krenak faz parte”, explica.

 

Também espetáculos nacionais e internacionais integram a programação, além de workshops que serão direcionados: a alunos da Fundação Casa, a artistas locais (das linguagens dança, performance, artes visuais, performance, fotografia – entre outros interesses), e a professores de artes das escolas públicas. As mesas de debates seguem a linha que acompanha o FIDA desde 2017: abordando questões sobre LGBTQIA+, relações étnico-raciais e indígenas.

 

Vale destacar que a inspiração do FIDA 2022 é “Quando insolentes dançam…”, uma homenagem à Pinar Selek - mulher turca exilada na França, ativista dos direitos humanos. Aliás, será por este viés que as ações da residência “Partilhas Insolentes” se desdobrarão. “Esta inspiração foi compartilhada nessa curadoria como um farol, para que o amor pela liberdade seja sempre nosso estimulo na criação e nas políticas públicas de cultura”.

 

A curadora lembra que a parceria da Prefeitura de Araraquara, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e FUNDART, junto à Universidade Federal da Bahia (UFBA) se intensifica e promove ampliações nos modos de pensar e fortalecer as políticas públicas. “Em 2022, o FIDA foi contemplado pelo Edital RETOMADA SP, do Amigos da Arte / Juntos pela Cultura, Governo do Estado de SP, que possibilitou ações como essa, dentre muitas outras, dentro do Festival”, celebra. Também, o FIDA conta com a parceria cultural com o SESC Araraquara e a Fundação Casa.

 

registrado em: ,